segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Dicas de séries que curti nos ultimos meses

Faz um tempinho que não coloco um post sobre as coisas que ando assistindo e curtindo por razões de: fiquei meio sem tempo para organizar as ideias de maneira daora pra colocar aqui. Bom, explicação dada, vamos às dicas- uhuuuuu.

 Série :: Intruders ( BBC AMERICA - 2014)

 Criada por Glen Morgan, um dos melhores roteiristas de Arquivo X, já vem com selo de qualidade duplo ora por ter sido escrito por ele, ora por ser da BBC - o que torna qualquer série automaticamente phyna.

A história começa quando um ex-policial vai atrás de sua esposa que decidiu "desaparecer" após começar a se comportar de maneira estranha e inexplicada. Durante a busca ele acaba descobrindo uma sociedade secreta que tem o poder da imortalidade. Sem mais spoilers e explicações, só digo que vale muito a pena - principalmente se você era fã de Arquivo X e daquele sentimento de não conseguir desgrudar o olho da tela.
Temporadas: 1 ( indo para a segunda em breve )



Série :: The Fall ( BBC2 - 2013)


Gillian Anderson encarna novamente o uma investigadora policial em uma série de tv - e em nada lembra a Dana Scully de Arquivo X, papel que a consagrou. O que torna tudo ainda melhor.

A trama se passa na Irlanda do Norte, em que Paul Spector ( interpretado por Jamie Dornan, de 50 tons de cinza)  tem uma vida dupla: de dia ele é um psicólogo pacato e a noite é um obsessivo serial killer. É nessa hora que aparece a detetive Stella Gibson ( Gillian) e se inicia um jogo de gato e rato tenso.
Pontos extra pelo climinha irlandês e o sotaque dos atores S2.
Temporadas: 2 ( indo para terceira possivelmente )



Série :: Over the garden wall ( Cartoon Network - 2014)

Sim, é desenho animado - e sim, é maravilhoso. Trata-se de uma mini série de 10 episódios contando a jornada fantástica (e inicialmente inexplicada) de Wirt, dublado por ninguém menos que Elijah Wood - o eterno Frodo Bolseiro, e seu irmãozinho Greg floresta a dentro, topando com criaturas e cidades surreais rumo ao desconhecido. Poesia pura e arte impecável. Vale a pena.
Temporadas: única. 10 episódios com 11 minutos de duração cada.



Por hoje é só amiguinhos \o\

Curtiu? Comente, me siga no Twitter, no Facebook e compartilhe este post! :)

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Não posso resistir


Não consigo resistir a dar um beijinho.
Curtiu? Comente, me siga no Twitter e compartilhe este post! :)

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Eu PRECISOOOOOOOOO


A internet é um ótimo lugar para encontrar coisas que você não sabia que precisava. Fato.
Curtiu? Comente, me siga no Twitter e compartilhe este post! :)

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Je suis Charlie Hebdo.

Apenas triste.

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

O primeiro grande desafio de 2015

Vai dizer que não? 
Curtiu? Comente, me siga no Twitter e compartilhe este post! :)

domingo, 21 de dezembro de 2014

Sobre sorvetes e a vida.

1 bola 10 reais. Está calor e já que estamos aqui...


Uma das vantagens de morar em uma grande-enorme-infinita capital como São Paulo é o fácil acesso a coisas de todos os tipos, preços, tamanhos, formas que estiverem em sua mente - e também na sua internet. Também nos encontramos em um boom de gourmetização e de marcas famosas de todos os cantos do mundo abrirem um cafofo em terras paulistanas. Assim tornando acessível a todos não viajados pelo mundo como eu, seus quitutes e bugigangas maravilhosas, muitas vezes aclamados, amados e "must-haveados" pelos amiguinhos viajados.

Eu.

Dentre o infinito mar de coisas aleatórias que acompanho pela internet, estavam lá fotinhos belas de gulodices. Composições visuais belas, cores vibrantes, design diferenciado, sorvetes de sabores cabulosamente mágicos e maravilhosos. Puxa vida, os sabores parecem deliciosos... Me pergunto a razão de tal iguaria gelada não ser vendida aqui- ou pelo menos não ter semelhante no mercado nacional. Me perguntaVA. A tal da sorveteria anunciou que abriria sua primeira loja aqui em São Paulo, fazendo que os corações gordénhos batessem mais rápido.

Na internet se come assim.
Amiguinhos viajados expressando a alegria de poder saborear novamente o sorvetinho-tão-delicioso-e-unico que provou na ultima viagem a NY. "Se pudesse, tinha enchido uma mala com eles, de tão bom". Esse lance deve ser bom hein galerinha? Se vocês estão "tão" assim...

Já que estamos aqui... neste belo dia de calor...

Então, em um ultimo fim de semana, calhou de eu estar na região da mágica sorveteria. Eu havia sido alertada que as filas nela estavam enormes - mas que valeria a pena. Cheguei na porta e a fila estava de um tamanho "ok". Aquele tamanho maroto de fila de mc donalds, e sim,  infinitamente menor do que a da expo do castelo ra tim bum. Está calor, e já que estamos aqui...Pq não?. Já na fila escolhi o sabor que me pareceu mais mágico, o que traria um misto de sensações maravilhosos, unicórnios de gliter na minha boca- Afinal, após anos "babando" pelas belas imagens nas internets, e o grande mimimi da galera que já conhecia a marca, eu não poderia esperar nada menos do que isso.

Cerejas com chocolate. Não tinha como dar errado, não tinha como NÃO ser maravilhoso. Eu amo cereja, amo chocolate, amo sorvete. Ainda tinha o plus dos sorvetes serem feitos com ingredientes belos, lindos, naturais, amiguinhos da natureza, etc e tal. Não tinha como não amar.



Tinha. Teve. Foi.

Na primeira colherada veio um gosto forte de DECEPÇÃO, misturadas com uns nacos aleatórios de chocolate "ok" e gostinho de cereja plástica sem muito amor. Posso dizer que todo o gliter e unicórnios esperados nem deram as caras...Então era por isso que eu fiquei salivando a tempos? Era só disso que os coleguinhas queriam lotar malas? Menos, gente. Menos....

Não, o sorvetinho não era ruim, mas também não era a explosão de amor e vida que era esperado e pregado. Talvez, em terras gringas, o gostinho da viagem dê o sabor de maravilha especial...Mas aqui, analisando friamente, é apenas um sorvete. Um sorvete OK.

Ali, sentada nos fundos da sorveteria, em um ambiente hispermente decorado, com musicas que me agradavam me coloquei a pensar e a viajar no tempo: viagens na infância, a caminho do grande interior paulista... na pausa e a sorveteria da estrada. O caminho de asfalto com terra, o lugar que sempre tinha vaga para estacionar, um buffet infinito de sabores para colocar no potinho plástico colorido. Aquilo que era sorvete. Despreocupado, doce, gelado e singelo. Acompanhado de coberturas bizarras e balinhas de goma enormes. Felicidade e unicórnios na língua.

A cada colherada uma pequena lição repetida: não botar tanta esperança nessas coisas bonitas na foto que são um estranho must have.

Curtiu? Comente, me siga no Twitter e compartilhe este post! :)