quarta-feira, 13 de outubro de 2010

No futuro andaremos todos nus e ouviremos músicas de um segundo.

Uma teoria aleatória que formulei.

Faz algum tempo que percebi uma pequena ação repetida: troco de música logo após o primeiro refrão, pois já me sinto 'satisfeita' com ela. É como se aquele trecho de um minuto e pouco equivalesse a ouvi-la 655 vezes seguidas, no mesmo período de tempo.

Também percebi conversando com outras pessoas que não sou a única com este comportamento, o que me fez pensar a respeito do porque disto. Cheguei a conclusão:

Somos uma geração que desenvolveu o "eu" na internet, ou seja, TUDO deve ser rápido, direto e de preferência obedecer a velocidade do pensamento- sempre a um clique de distância. Gente, quantas vezes vocês não foram a uma palestra, ou assistiram uma aula e tentaram mentalmente encontrar o botão para "pular para o próximo capitulo". Eu não digo nem FF, porque isso faz você ver todo aquele conteúdo de modo acelerado, e simplesmente NÃO queremos ver, só pular.

A necessidade de algo grande para entreter está acabando. Pense nas composições clássicas, nas óperas, todas criadas em uma que as pessoas tinham paciência e tempo para apreciá-las. Agora pense no tempo de duração das musicas atuais, reparem que dificilmente um grande hit passa dos 4 minutos. Ok, você pode dizer "ah mas elas tem que ter uma duração X para entrar na programação das radios e blá blá". Sim, eu concordo, mas pense: você aguentaria ouvir "California Girls" se esta durasse uns 15 minutos?. Não, obvio que não.

Rápido me entretenha ou terei que comer tudo isso.

Nosso ritmo biológico não aguenta mais do que os quatro minutos, e eu dependendo do dia, não passo dos 30 segundos. Tendência?

Sobre ficar peladin

Ok, eu admito que minha cabeça é uma grande bagunça e faz ligações entre assuntos sem sentido. Filosofando sobre toda essa historia acabei relacionando vestuário e duração musical. O resultado disso está no belo infográfico no começo do texto.

Gostaram? viram lógica?

Beijo pra quem leu até o final.

>Aproveite e me siga no Twitter :)

12 comentários:

Anônimo disse...

Dorgas.

Anônimo disse...

Manolo

Anônimo disse...

Você fica satisfeita com a musica logo após o primeiro refrao por que escuta lixo que nao tem condiçoes de ser apreciado.

pato disse...

faz sentido!! eu acho uma "safadeza oculta" as musicas de hoje em dia... sério, não dá nem pra chamar de música G.G

Ticiano disse...

É fato, e é de se parar pra pensar (coisa rara hoje em dia, também x] ). Estamos numa era de comodismo e principalmente de imediatismo. Fazemos o que queremos e pulamos pra próxima o mais ráido que pudermos. Poucos ainda desenvolvem a paciência, nesse ritmo louco, com receio de perder tempo, eu acho, não gastando com as outras bilhões de coisas pra fazer. Algumas pessoas tornam-se tão frenéticas que perdem a capacidade de conviver com o silêncio, de suportar a falta de barulho, de movimento.

Booa obseração a tua! :P
E bom post!

Anônimo disse...

Isso não faz muito sentido, pois os próprios Beatles (que são usados de exemplos) começaram suas carreiras com musicas que tinham 3 minutos, sendo que em seus últimos albúms tinha musicas com mais de 7, musicas curtas e repetitivas são pra pessoas que ouvem elas só pra ouvir, quem realmente aprecia música não se importa com o tempo dela, e sim como ela soa, essa é a diferença de musicas comerciais e bobinhas que toca nas rádios e grandes clássicos que continuam até hoje anos e anos depois.

Leticia (aka Leticce ) disse...

Musicas comerciais: é isso ai.

Pexe disse...

Acho q vc está errada. Fale por vc mesma. Eu, ao contrário de vc não me satisfaço em ouvir uma música apenas uma vez. Quando gosto da música, sou capaz de ouvi-la o dia inteiro no repeat. E não é exagero, algumas pessoas já preseciaram isso e se eurpreenderam, perguntavam como q eu aguentava. E eu conheço mta gente q tbm faz isso, assim como eu.
Inclusive, eu já fiz isso com "California girls". Um dia quase inteiro.

Pêxe disse...

Acho q esqueci da falar no meu outro comentário: Existem TIPOS diferentes de pessoas, e acho q vc se prendeu em apenas um deles. Eu faço parte de outro.

Leticia (aka Leticce ) disse...

@pexe : sim, é ponto de vista exposto aqui- o meu. É um texto cientifico? não.

Eu mesma também já ouvi uma mesma canção o dia todo, como vc citou no seu comentário.

É apenas um texto meu, para diversão, sem a pretensão de dominar e impor a verdade.:)

Anônimo disse...

Você fica satisfeita com a musica logo após o primeiro refrao por que escuta lixo que nao tem condiçoes de ser apreciado(2)

Clarissa Cor disse...

Ah, Leticia, espero que tenham mais pessoas como vc em tua geração (que certamente deve ser posterior a minha). Eu faço parte da geração dos vinis e cassetes e, veja vc, pelo teu infográfico vi que o que eu mais sinto saudade é da geração anterior, a dos Beatles, a qual eu não vivi... Tvz, em comum, tenhamos a bagunça que faz a ligação entre assuntos (aparentemente) sem sentido. para por aqui pq a mania de uma época em que se escrevia muito já tá me atacando e até nisso vc foi brilhante (o fim do texto explica a imagem do começo). Não há como não ler até o final. Parabéns! beijos e sorte em suas conquistas!