segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Um domingo, uma maçã e libaneses

Um domingo a caminho do trabalho, uma maçã e um inquérito atípico.

Domingo de sol, daqueles que a preguiça vem de brinde quando se acorda. Eu dei uma enrolada para levantar, demorei para lembrar que eu teria que pegar um ônibus cedo para trabalhar. Preguiça, preguiça, preguiça....vou ficar só mais um pouquinho na cama, são apenas 6h15 da manhã. Só mais 10 minutinhos....

7h30.
NÃO ACREDITO VOU ME ATRASAR.

Corri pro banho e vesti a primeira roupa que encontrei no armário. Acho que vou sem tomar café mesmo...aqui em casa as coisas de domingo só começam a partir das 8 horas. Sem comer nada mesmo, e seja o que deus quiser até as 14h. Minha mãe acorda.

"você tá pensando em sair sem comer nada?"
"Não vai dar tempo nem de esperar tomar café" eu falo já colocando a chave na porta."ônibus de domingo mãe..."
"come pelo menos uma maçã" diz minha mãe, já caminhando para a cozinha e pegando a sagrada fruta.

Vou para o ponto com a maçã do tamanho da minha cabeça em mãos. Já que estamos aqui, vamos comer. Uma mordida, caminhando para a segunda e...Lá vem ele: O ônibus. LOTADO. LOTADO MESMO, tipo o "Berrini/ ana rosa" as 18h01 min de sexta-feira

Pausa dramática:
Mas pra que diabos esse povo tá fazendo aqui a essa hora?. Não tô em posição de esperar outro, porque sabe-se lá que horas ele passará. Entro no grande enlatado, recheado de crianças ranhentas e choronas. E está bem quente, pra variar sem um lugar para sentar...Eu já mencionei que ele estava LOTADO?

Me aconchego em um canto onde a porta não abre (quem usa, sabe do que estou falando), ali posso prosseguir viagem comendo minha maçã sem atrapalhar e sem ser atrapalhada. Parada um, parada dois, cada vez mais gente. Como que cabe tanto?. Entra um senhor, se equilibra entre as pessoas e curvas, opta por também ficar no canto da porta. Percebo ele me observar comer. Tudo bem, estou em um local publico afinal de contas.

"nunca vi tão cheio a essa hora, e ainda de domingo" o homem fala para mim com um leve sotaque que não consigo decifrar.
"uhum" concordo mastigando a maçã.

Silêncio que dura segundos.
"Aqui é um pais bom né? dá todas as frutas o ano todo" ele volta a puxar assunto "no meu pais também é bom, eu gosto muito de lá. Mas aqui é verde o ano todo, lá não...mas eu gosto"
Concordo sem falar. Minha boca está concentrada em mastigar.
"Você tem costume de comer uma todo dia uma maçã?" ele pergunta.
"não só hoje" respondo e sorrio, partindo para outra mordida.
"No meu pais nós temos um ditado...comer uma maçã por dia para afastar o mal"
"uhum"
"Eu vim do Líbano...
BRIIIIIIMO!

...lá é muito bom, sempre sol. Clima bom, como aqui. Mas o ruim de lá é a guerra" ele conclui.
"eu acredito" concordo com ele.
"Aqui na região tem muitas familias libanesas, mas ninguém fala a língua. Eu dou aula para varias pessoas"
"ah que legal"
"é só sai de lá por causa da guerra. E você é descendente de que?"

Mordida estratégica na maçã, para pensar. Essa é a resposta que pode determinar o curso da conversa. Omitir a minha descendência ou não? Se sim, o assunto pode seguir pra algo sem graça e nada bizarro. E já que estamos aqui, vamos ver aonde isso pode dar.

"Ah de várias coisas portugueses, espanhóis e...libaneses"

Yep, ele sorriu. As portas para o inquérito estão abertas.

"Ah é? mas por parte de pai?"
"não, de mãe"
"ela nasceu lá? seus pais nasceram aqui?"
"não, não, parte de avós"
"ah e você fala alguma coisa?
"não haha"
"sabe eu dou aula para muitos jovens, descendentes aqui da região"
Levanto as sobrancelhas em sinal de estar prestando atenção.
"Qual seu sobrenome?"
"olha não é por mal , mas..."
"ah tudo bem, eu conheço varias familias...talvez você conheça os الغرباء (ele falou uns 3o sobrenomes árabes que eu não consigo lembrar)
"não conheço não, não sou de falar com a vizinhança haha"
"ah normal, a comunidade nem sempre é unida"

Minha hora de descer está chegando e a dele também. É claro. Ele opta por iniciar a despedida:

"Bom foi um prazer conhecê-la, meu nome é
غريب
غريب?"
"É,
غريب desse jeito mesmo "
"Prazer Leticia" sorrio e dou a mão para ele.

Nos despedimos.Passo pela a catraca e desço do ônibus. Ele também desce no mesmo ponto. Nunca mais o vi.

Momentos da vida.


>Aproveite e me siga no Twitter :)

2 comentários:

Bel disse...

Libaneses são muiiito emotivos. Meu avô é Libanês, talvez esse só estivesse um pouco solitário.. Enfim.. :) Belo blog.

Leticia (aka Leticce ) disse...

Olha só, eu não sabia desse lance emotivo dos libaneses. Agora tenho uma desculpa sanguínea :)

Obrigada pelo comentário
^^